Outubro Rosa com a CACO

Que mês lindo com uma cor linda, que chegou! Essa mesma, o Rosa!
Nossa mamãe eu adoro te ver com essa cor, esse sorriso, esse encanto diário, adoro te ver de chinelo, blusa larga e cabelo pra cima, mas também adoro ver você de salto alto e elegante. 
Outubro Rosa
Adoro quando você pode passar o dia todo comigo, brincar, passear, contar piada, conversar sobre o meu dia e me aconselhar. Adoro sua presença, seu cheiro, seu perfume. Adoro quando você chega do serviço, mesmo que às vezes com uma cara de brava ou cansada, mas logo abre aquele sorriso lindo e me envolve com aquele abraço gostoso! 

Simplesmente adoro todos os momentos com você, mas sabe o que preocupa mamãe? Saber que essa cor rosa que você tanto usa é o símbolo contra o câncer de mama. 

Pois é mamãe, esse mês de outubro e essa cor faz parte de um movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa. Neste mês a luta contra o câncer de mama atinge toda a população, empresas e entidades. E me atinge também. Porque não me imagino sem você, não consigo por um momento se quer pensar em não te ter ao meu lado, em não te dar um beijão de bom dia. Quero muito que você se cuide e por isso, neste mês, nós vamos brincar de médico e eu serei o(a) doutor(a) e vou te ensinar a fazer o exame de auto toque, vamos lá!
Primeiramente, vamos para o espelho: 
1. Observe seus seios;
2. Agora coloque as mãos na cintura e observe o formato, tamanho e contorno de seus seios (observe se estão iguais e simétricos). Veja se existem pregas, depressões ou alterações na pele da mama, aréola e mamilo. 
Agora mamãe:
3. Coloque as mãos para o alto e fique atenta aos mesmos sinais que observou com as mãos na cintura, observe se seus seios estão alinhados, assim como as aréolas e mamilos, verifique também se há inchaço ou edema.
Muito bem mamãe, você está sendo uma ótima paciente, agora vou te ensinar a fazer a palpitação: 
4. Coloque o braço atrás da nuca, coluna reta e com a ponta dos dedos percorra todas as áreas da mama em movimentos circulares de fora para dentro, procurando por espessamentos ou caroços. Use a mão direita para examinar a mama esquerda e vice-versa. 
5. Faça os mesmos movimentos na parte externa superior dos seios (próximo da axila) em direção ao mamilo, de modo firme, mas delicado. 
6. Pressione suavemente os mamilos e observe com cuidado a presença de secreções e a presença de lesões na sua pele sensível, assim como nas aréolas. 

Isso mesmo mamãe, você está indo muito bem! Agora, por ultimo, mas não menos importante. Vamos deitar, colocar um apoio sob o seu ombro direito (pode ser um travesseiro ou uma toalha) e passar a mão direita para trás da cabeça. Examine sua mama direita com a mão esquerda, repetindo os movimentos circulares e procurando os mesmos sinais já descritos. Repita esse passo com o lado esquerdo.

Uau Mamãe!!! Você foi ótima no seu exame de auto toque, entretanto terá que fazer isso em todos os meses, não somente em outubro, quero te ver bem mamãe. 

Os sintomas iniciais de câncer de mama estão relacionados com alterações visíveis, como diferenças na forma ou na sensibilidade da mama. Estes sinais podem surgir tanto na mulher como no homem e, quando descobertos precocemente, podem aumentar as chances de cura. Por isso vamos nos prevenir, mamães façam o exame de auto toque, se observem e procurem ajuda sempre que sentirem algum desconforto, assim como nossos filhos querem nos ver bem, também temos que estar bem para vermos o desenvolvimento deles. Se cuidem!



LEIA TAMBÉM:
O que é comportamento inadequado?: AQUI
Você já conversou sobre sexualidade com seu filho?: AQUI
O Jogo da Baleia Azul e Possíveis Formas de Prevenção: AQUI
Qual idade mais adequada para que não haja mais o xixi na cama?: AQUI


Wallana Coutinho Soares - CRP 04/45434
Marina Junqueira Nolasco - CRP 04/45417
Instagram: @cacopsicologia
Facebook: /cacopsicologia

10 DICAS PARA MÃES QUE ACABARAM DE TER FILHOS

1. Aceite ajuda, para o bem de todos
Se você faz questão de assumir todos os cuidados com o bebê, vai precisar de auxílio para organizar o resto, como a casa, por exemplo. Aos poucos, porém, é provável que você perceba que o apoio de pessoas de confiança é melhor para a família. Isso inclui a participação do pai, que é indispensável. No início, ele pode se sentir um tanto isolado, cabe à mãe tentar envolvê-lo na relação, acredita a pediatra Ana Maria Escobar. O pai pode se revezar com a mãe na hora do banho e de trocar fraldas, entre outras tarefas. Isso sem falar no apoio psicológico, que faz uma diferença enorme. A pediatra lembra ainda que a vida do casal não pode ficar em segundo plano. 'Eles precisam de um tempo livre para sair vez ou outra, nem que seja para tomar um sorvete', aconselha.
10 DICAS PARA MÃES QUE ACABARAM DE TER FILHOS
2. Converse com outras mães
Trocar figurinhas' com outros pais vai fazer com que você se sinta mais segura - principalmente ao descobrir que não é a única mãe do mundo que pensou em colocar um espelhinho no nariz do bebê para ver se ele estava respirando. 'Se durante a gestação a barriga era um ponto de referência para puxar assunto com outras grávidas, agora o olhar se vira para carrinhos e afins', diz a enfermeira-obstetriz Márcia Regina da Silva. Não perca a oportunidade de conversar com as mães que cruzarem o seu caminho, seja na rua, seja no playground ou na sala de espera do consultório médico.

3. Acredite no instinto materno
Conselhos de pessoas experientes ajudam, mas é importante tomar cuidado com os palpiteiros de plantão. 'Não há dúvida de que a mãe é a pessoa mais indicada para cuidar do bebê, afinal ela o conhece melhor do que ninguém', afirma Márcia. Segundo a enfermeira, as mães de primeira viagem costumam ficar divididas entre o que dizem as amigas, a própria mãe e o pediatra. 'O ideal é seguir o bom senso', recomenda. Na maioria das vezes, como você vai comprovar com o tempo, coração de mãe não se engana.

4. Amamentar (se possível) é a regra número um
Os benefícios do aleitamento são indiscutíveis, tanto para a mãe quanto para o bebê. Só para citar alguns: imuniza a criança contra infecções, favorece o desenvolvimento dos músculos faciais do bebê, diminui os riscos de sangramento pós-parto e câncer de mama, fortalece o vínculo entre mãe e filho. 'Até o sexto mês de vida, o leite materno é o único alimento de que o bebê necessita', resume o pediatra Glaucio José Granja de Abreu. Mas é preciso ser paciente, pois a amamentação é um aprendizado. 'Dificilmente mãe e filho se entendem de imediato. Levam algum tempo para se adaptar. O processo, no entanto, pode ser facilitado com alguns truques e uma dose extra de boa vontade', afirma Márcia. Se por algum motivo, entretanto, a mãe não tiver condições de amamentar, não precisa se sentir culpada. O bebê crescerá normalmente.

5. Não fique obcecada com o peso
É melhor se conformar: dificilmente você perderá em duas semanas os quilos que levou nove meses para adquirir. 'As mulheres acham que já vão sair da maternidade magrinhas. Depois do parto, no entanto, a barriga costuma parecer a mesma do quinto mês de gestação', avisa a enfermeira Márcia. De fato, o corpo precisa de alguns meses para retornar à forma antiga. É claro que você pode ajudar, com atividades físicas (assim que o obstetra liberar) e uma dieta equilibrada. Mas nada de exageros: remédios para emagrecer são proibidos para quem está amamentando. A propósito, o aleitamento é um ótimo exercício para perder peso, gasta em média 800 calorias por dia (200 a mais do que uma hora de ginástica aeróbica).

6.Durma sempre que puder
Nos primeiros meses, o bebê não tem hora exata para mamar, embora costume chorar de fome num intervalo de duas horas e meia a quatro horas. Nesse período, também é o momento de trocar as fraldas. Isso sem falar no banho diário e outros imprevistos, como aquele parente distante que ligou para saber as novidades. Resumindo, a jornada é longa - e contínua. Por isso, um cochilo é bem-vindo a qualquer hora do dia. Uma boa dica é descansar entre as mamadas, enquanto o bebê dorme. E não tenha vergonha de restringir o número de visitas, elas entenderão os argumentos. Lembre-se de que quanto mais relaxada você estiver, melhor para o bebê. 'A mãe precisa repousar entre as brechas do sistema', brinca o pediatra Granja de Abreu.

7.Pernas para que te quero
Ficar trancada em casa não soa nada animador, não é ? Especialmente para quem estava habituada a sair todos os dias para o trabalho. Assim que o pediatra der o aval, o que costuma ocorrer um mês após o nascimento, leve o pimpolho para passear. 'Depois do primeiro mês, o bebê deve tomar sol de manhã', aconselha Granja de Abreu. Os raios solares são essenciais para a fixação da vitamina D, responsável pela absorção de cálcio no organismo, e, portanto, fundamental na formação óssea da criança. Além disso, existe coisa melhor do que receber elogios e sorrisos por causa do filho? Deleite-se! Quando os passeios forem mais longos, habitue-se a sair de casa 'carregada'. A bolsa de passeio do bebê deve conter fraldas descartáveis, lenços umedecidos, pomada contra assaduras, fralda de boca, babador, uma muda de roupa (no mínimo), forro para fraldário e, se for o caso, mamadeiras e chupetas. Tem ainda o carrinho ou o bebê-conforto.

8. Deixe a criança brincar
Parece fácil, mas não é. Muitas vezes, os pais iniciantes acreditam que o filho é tão frágil quanto porcelana inglesa. Se pudessem, deixariam o bebê numa bolha anti-séptica, longe de insetos e sujeira. Acontece que a criança precisa deitar e rolar, literalmente, no chão para desenvolver suas habilidades cognitivas e motoras. A partir do momento em que aprende a engatinhar, por volta dos sete meses, ela quer conquistar o mundo. Isso significa explorar cada centímetro quadrado da casa, tocando - e levando à boca - todos os objetos possíveis e imagináveis que estiverem ao alcance. Com algumas medidas de segurança, como o uso de travas de porta e gaveta, grades, cantoneiras e protetores de tomada, a criança está livre para explorar o ambiente sem riscos. Além disso, mamãe, talvez a 'vitamina S' (de sujeira) não seja tão importante para a saúde, mas dá um toque especial às brincadeiras.

9. Contenha-se nas compras
Atenção para não levar para casa um acessório que a vendedora jurou ser 'indispensável' para o seu filho, como aquele termômetro para medir a temperatura da água do banho. Outros, apesar de extremamente necessários, podem ser encontrados em modelos mais simples e baratos. Um bom exemplo é o carrinho do bebê, que, no geral, quanto menos 'equipado', mais prático - e leve - para carregar. Para abater o orçamento, você também pode pedir emprestados alguns itens que a criança usará por poucos meses: moisés, bebê-conforto e roupas, entre outros. E não precisa sentir vergonha, o hábito é praxe entre as mães.

10. Pais heróis não existem na vida real
Mães infalíveis são um mito do folclore popular. 'Os pais têm de aceitar as próprias limitações. Errar faz parte', explica a psicóloga Anna Mehoudar Correia. O segredo, além de manter a calma, é observar a criança com atenção. 'Toda vez que algo der errado, os pais devem mudar de estratégia até descobrir a que melhor funciona com o filho', afirma a psicóloga. Se o bebê reclamar de uma determinada posição enquanto estiver no colo, por exemplo, tente outra. Simples assim. O que acontece se você não tiver um plano B ? Não precisa ter medo de chorar. É muito comum se sentir incapaz e abrir o berreiro por coisas banais, como uma fralda que vazou, nos primeiros dias. 'O choro, que é praticamente inevitável, é um direito da mãe. Ajuda a aliviar o estresse', diz Anna. E não se preocupe: as crianças costumam resistir à falta de experiência dos pais de primeira viagem sem grandes traumas, acredite. (Fonte: Revista Crescer - Edição 117)

Acompanhe o Blog nas redes sociais e fique por dentro de TUDO! 

Decoração na era da sustentabilidade

Essa dica vale tanto para a decoração de festas quanto para decorar a própria casa! Hoje vamos falar como peças que seriam esquecidas ou descartadas podem assumir um papel de destaque numa decoração! 

Sabe aquele cantinho que você pensa e pensa e acaba deixando para lá! Existe solução: sustentabilidade! Parece óbvio falar de reutilização ou reciclagem nos dias de hoje, mas poucas pessoas (numa sociedade que ainda é extremamente consumista) realmente conseguem perceber como pequenas ações podem mudar o futuro de nossos filhos. Vamos entender então o que sustentabilidade e decoração tem em comum?

A função principal da decoração (numa festa, no escritório, na sala, em qualquer lugar. ..) é promover a sensação de bem estar atrelada à organização, objetos bem expostos nos trazem um "respiro visual" cotidiano e podem influenciar (acreditem! ) até no nosso rendimento profissional, afinal local organizado é lugar produtivo! 

O legal da decoração criativa é que podemos usar vários elementos inusitados para fazer uma composição, por exemplo, um pneu velho, bem lixado e pintado pode se tornar um puff de sentar para o escritório, um balanço para as crianças no quintal, uma mesinha diferente numa decoração de festa pic-nic! O mesmo acontece com o caixote de feira, que pode ser empilhado e se transformar em mesa num tema de festa rustica ou ser preso na parede e se transformar numa estante de livros! 

Agora também é importante frisar que ser sustentável não tem a ver somente com produzir produtos reciclados ou reaproveitar objetos. Na decoração “menos é mais” e alugar objetos para uma ocasião especial também é um recurso inteligente.

Veja um exemplo... imagina que você tem uma festa e quer decorar com elementos sustentáveis! Ótimo! Você guardou um monte de potinhos de iogurte! Após a produção das lembrancinhas a festa aconteceerá e os convidados levarão aquelas peças para suas casas e ‘Bingo!” você colaborou com o meio ambiente e ainda economizou um dinheirinho! Correto? Depende... todos os produtos tem um ciclo que se inicia com a obtenção do material (ou ingredientes) e finaliza no uso e descarte...

Vamos imaginar a lembrancinha de pode de iogurte, qual é a real utilização daquele adorno na casa do seu convidado? Por isso, além de pensar na reutilização de um material é extremamente importante pensar na real utilização e no acabamento (afinal peças recicladas podem ter uma aparência atraente (e colaborar para que sejam realmente utilizadas de forma útil numa casa. 

Estes princípios de reutilização tão conhecidos na arte através dos ready mades (que é quando usamos um objeto em uma função que não seria a sua habitual) podem ser aplicados em nosso dia a dia! 

Não é fantástico! ? 

E o mais legal, podemos deixar nossos ambientes mais bonitos colaborando para uma menor geração de resíduos, que fatalmente iriam para descarte no meio ambiente . Assim, claro, colaboramos para um futuro melhor!
Priscila Gommiz 
Facebook: Gommiz 
Instagram: @gommiz 
E-mail: contato@gommiz.com.br

DORES NA GRAVIDEZ – O QUE É NORMAL?

Dores na gravidez é uma consequência inevitável! Mas que dores são normais e quais dores não são normais na gravidez? No início da gestação, as dores podem ser um pouco assustadoras. As cólicas, dores nas costas e até mesmo uma dor no pé da barriga. Até a 10ª semana da gravidez, essas dores podem ser hormonais e de expansão do útero. Devemos lembrar que útero é um órgão super elástico, na verdade é um músculo e inicialmente (normalmente) é do tamanho de um punho fechado. Conforme a gravidez vai evoluindo, ele começa a inchar e aí surge o motivo das cólicas. No laudo do primeiro ultrassom, é possível o resultado e geralmente vem escrito da seguinte forma: útero aumentado com aspecto gravídico.
DORES NA GRAVIDEZ – O QUE É NORMAL?
No começo, a progesterona e o HCG fazem a manutenção da gravidez e o útero inchado é consequência disso. Essas alterações hormonais causam cólicas, desconfortos, incômodos etc. Passando essa fase, começa a fase do desconforto por conta dos músculos se afrouxando e dos órgãos em deslocamento dentro do corpo. Você sabia que os órgãos se realocam dentro do corpo, causando essas dores na gravidez? O intestino, o estômago, o fígado e até mesmo o coração vão se ajeitando de forma diferente do original para dar espaço ao útero e ao bebê. Por isso, dores na gravidez são comuns e dependendo da sua sensibilidade a elas, pode-se tornar motivo de queixas para o médico. Dores na gravidez são passageiras e podem ir e vir conforme o bebê vai crescendo e a gestação avança. E as Dores Mais Fortes? Dores do baixo ventre no segundo trimestre de gravidez é muito comum. Nesta fase os músculos de baixo da barriga têm que dar conta de relaxar para acomodar o novo peso e a nova condição da mulher. E se você é do tipo magrinha, pode sentir mais forte essa dor devido ao relaxamento intenso da musculatura. Essas dores podem ser em baixo, próximo à virilha e dos lados. Para isso, é legal uma cinta para sustentação do peso da barriga. Nas dores comuns da gravidez também se enquadra a dor na região pélvica. Eu mesma tinha a sensação de pontadas lá em baixo na vagina! Sim na vagina! Dava medo, mas eu sabia que era pelo peso da gravidez. Muitas vezes, essas pontadas podem ser sinal de que o bebê está encaixando, ou mesmo da pressão que o bebê faz com seus movimentos. Dói, mas vale muito a pena!

Agora, existem dores que não são especificas da fase, como a dor ciática na gravidez. Ela não é especificamente da gravidez, pois a mulher pode já ter algum problema com o nervo ciático mesmo antes da gestação. Mas também pode ser que esse problema da dor ciática devido ao peso da barriga. No final das contas, dor ciática na gravidez é muito comum. Outra dor que também é super comum é a dor da síndrome do túnel de carpo. Ela acomete o nervo do braço, do antebraço mais especificamente. Dói e muito! Tem mulheres que até mesmo perdem a força na mão por conta dessa síndrome que é infelizmente comum entre grávidas. Como tratamento, o médico ginecologista pode recomendar desde fisioterapia até medicamentos específicos para gestantes. Lembrem-se que dores no baixo ventre são comuns, o anormal nesse caso é sentir vontade excessiva de fazer xixi, sentir dores e sair apenas um pouco de urina, gotinhas de xixi. Essas dores podem ser de uma infecção urinária. Seja qual a dor que você esteja sentindo, o melhor é falar com seu obstetra. Ele saberá como conduzir e caso precise de medicação para dor, ele receitará! 

Acompanhe o Blog nas redes sociais e fique por dentro de TUDO! 

Imã Espírito Santo - Uma Lembrancinha inesquecível .

Eu adoro lembrancinhas especiais! E vocês? Tenho certeza que sim! Aquela que realmente a gente usa e sempre que olhamos nos recordamos daquele dia tão importante!
E por isso hoje venho mostrar mais uma super novidade da loja on line Mãe de Primeira Store, o imã Espírito Santo. Ele é aquela lembrancinha que encanta. 
Imã Espírito Santo - Uma Lembrancinha inesquecível .
Imã Espírito Santo - Uma Lembrancinha inesquecível .
Ótima opção para lembrancinhas de maternidade, batizado, eucaristia, crisma, bodas e muito mais. 
Feito em resina com imã na parte de trás, com detalhes em ouro e mini pérolas

Uma linda forma de presentear quem se ama! 
Para saber mais sobre este produto com toda a descrição do produto clique AQUI e passe na nossa loja e sonhe com gente, em proporcionar emoção as mamães e aconchego aos bebês. 

Mãe de Primeira Store
E-mail: contato@blogmaedeprimeiraviagem.com
Whatsapp: 31 991062396

Introdução Alimentar. E agora?

Depois das dificuldades da amamentação, surge outra fase que deixa as mamães cheias de dúvidas: a introdução alimentar! Por quais alimentos começar? Como preparar e combinar os alimentos? Meu bebê não quer comer, o que faço? Meu bebê come demais? Essas são dúvidas constantes!
Introdução Alimentar. E agora?
Até o sexto mês de vida do bebê recomenda-se exclusivamente o leite materno, considerado até esse período um alimento capaz de garantir por si só as necessidades nutricionais do bebê, e deve ser mantido e complementado até os 2 anos ou mais de idade. Já a introdução alimentar deve ocorrer a partir do 6 mês. Nesta fase, o bebê começa a sentar sem apoio, identifica sabores, enzimas digestivas começa a funcionar, ocorre um maior desenvolvimento neuropsicomotor, imunológico e cognitivo, estando portando mais preparado para receber diversos alimentos. Além de suprir as necessidades nutricionais, o contato com os novos alimentos podem determinar os hábitos e comportamentos alimentares na vida adulta, influenciando na saúde e bem-estar do indivíduo.

É preciso entender também que o bebê está em uma fase diferente, ele passa a comer novos alimentos, com cheiro e textura nunca experimentados. É um momento de ótimas descobertas, mas também de estresse para os pais e a criança, podendo interferir no processo da introdução alimentar. Portanto, paciência e persistencia nesta fase!haha

Atualmente existem 4 métodos de introdução alimentar, que resumidamente são:
1. Tradicional: As refeições são em forma de papas e ocorre uma evolução gradual delas. O adulto é o regulador, ou seja, o bebê não tem autonomia. São os papais que vão colocar os alimentos na boquinha dele, incentivando-o a comer.

2. Alimentação responsiva: É parecida com o método tradicional, em forma de papas. O adulto tem o papel de facilitador e ajudante, pacientemente, encorajando a criança a comer –mas não a forçando, assim respeitando seus sinais internos de fome e saciedade.

3. BLW: a sigla significa Baby Led-Weaning (introdução alimentar guiada pelo bebê), e vem conquistando cada dia mais pais, já que ensina obre como respeitar os gostos do bebê, ou seja: eles comem até que se sintam satisfeitos. Sugere-se que os alimentos sejam oferecidos para bebês, em forma de pedaços, possibilitando que eles exercitem as suas escolhas e comam sozinhos com as mãos. O adulto tem apenas o papel de ser o responsável por disponibilizar os alimentos saudáveis e supervisionar a refeição.

4. Alimentação participativa: Utiliza parte dos fundamentos da alimentação responsiva e BLW. Na prática, você pode deixar o bebê mais à vontade para comer, mas interfere sempre que preciso, agindo como um facilitador e encorajador. 

E qual o melhor método? O método que melhor se adapta a sua família e rotina! O interessante é o bebê receber essa oferta de alimentos saudáveis e adequados para essa fase tão importante! E fica a dica: o acompanhamento e orientação do nutricionista materno infantil é essencial para auxiliar e adequar a melhor forma de cada método a ser realizado juntamente com a família e cuidadores! Vamos falar mais dos métodos nos próximos posts! Até lá!
 Pâmala Mara
Nutricionista Clínica e Materno Infantil- CRN13084
Panelinhas Kids 
Instagram: @panelinhaskids
Facebook: /panelinhaskids
Tel: 31 987499685

Encontro Canguru De Setembro

Oiii família de Beagá! Como sabem, a Canguru Online sempre faz encontros com as famílias de Beagá para nos ajudar nesse louco mundo chamada maternidade. Saiba mais aqui! 
Encontro Canguru De Setembro
No Encontro Canguru de setembro, os pais, as mães e os educadores da plateia vão aprender a lidar com situações de extremo estresse, quando os pequenos estão passando por alguma emergência. Noções importantes de primeiros socorros e dicas de prevenção serão o mote da conversa com os oficiais do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais Andréa Coutinho Martins e Pedro Doshikazu Pianchão Aihara, convidados deste mês para trazer a informação mais precisa aos leitores da Canguru.


Aihara é especialista em gestão e prevenção de desastres pela Universidade de Yamaguchi (Japão) e em gestão de projetos pela Universidade de São Paulo (USP), além de ser docente do curso de formação do CBMMG na área de atendimento pré-hospitalar. Andréa possui mais de 15 anos de experiência na corporação, sendo docente na área de comunicação organizacional.

O encontro acontecerá no dia 30 de setembro, às 10h30, no Teatro de Bolso Júlio Mackenzie, no Sesc Palladium (Rua Rio de Janeiro,1046 - Centro).

Teremos espaço kids para que possa deixar seus pequenos se divertindo, enquanto assiste a palestra. 

As inscrições para a palestra são gratuitas, mas as vagas são limitadas. Seguidores do nosso grupo tem 20 vagas garantidas para assistir a palestra. Basta acessar ao link www.bit.ly/ecbhemergencia, preencher o formulário e, no campo MENSAGEM, escrever MÃE DE PRIMEIRA VAIGEM.

Te espero lá! 
Acompanhe o Blog nas redes sociais e fique por dentro de TUDO! 

O que o relacionamento com o cliente tem a ver com o seu preço? (Parte II)

Olá!Como vão todas? Se você anda agoniada por causa das suas vendas, quer dizer... da falta delas esse texto é para você. E se você não leu o texto anterior, corre AQUI porque esse é o complemento dele. Hoje vamos falar mais um pouco sobre quando seu cliente diz que está caro.
O que o relacionamento com o cliente tem a ver com o seu preço? (Parte II)

Já parou para pensar que seu cliente pode não enxergar o problema, ou necessidade dele como sendo tão importante de ser resolvido? Pois é... Se ele não enxerga o que adianta você falar sobre os benefícios que você pode oferecer? Concorda que ele sempre vai estar procurando uma maneira de te dizer não? E uma das mais fáceis é dizer que tá caro, concorda? Vou dar um exemplo que eu ouvi há pouco tempo. Uma pessoa que trabalha com produtos de beleza, atendeu sua cliente que disse precisar de algo para melhorar o aspecto das suas sobrancelhas. Porém essa pessoa quando chegou viu que ela tinha várias manchas na pele do rosto e resolveu oferecer um produto para isso também. E o que aconteceu? A cliente se ofendeu quando ouviu que ela precisava de um produto para a sua pele e não comprou nem um nem outro e nunca mais recebeu essa pessoa na casa dela novamente. Resumo da ópera... A empreendedora não praticou a escuta ativa. E o que vem a ser isso Kika? Escuta ativa é você escutar, passivamente o que a outra pessoa está falando, prestando atenção a detalhes que você pode utilizar para auxiliar essa pessoa a enxergar o que ela precisa. Quando a gente fala, muitas vezes a gente não enxerga contradições e nem mesmo o que realmente nos incomoda nas situações. E é aí que você entra! Perceber isso quando outra pessoa que não você está falando é muito mais fácil. Porque você não tem emoção, nem sentimento envolvidos naquela dor. Então você consegue pensar melhor à respeito, sem apego.

Converse com seu cliente sem tentar se aproveitar disso para forçar a venda
É preciso aproveitar a conversa para trazer para a consciência do cliente a necessidade dele daquilo que você oferece a ele. E é justamente por isso que você não precisa forçar a venda. Quando o cliente perceber que ele precisa de algo relacionado ao seu problema para resolvê-lo ele vai buscar exatamente isso. E você, como num passe de mágica vai ter a solução quando ele mencionar a necessidade dele. Com essa conversa entre vocês, a confiança será estabelecida e seu cliente vai querer mais evidências de que você pode resolver o problema dele.

Tenha sempre em mãos evidências de que você resolve o problema do seu cliente
Gente, ter evidências dos resultados dos seus produtos ou serviços é fundamental!!! É essencial!!! Você precisa ter depoimentos, fotos antes e depois, recomendações. Isso é a chave do fechamento da venda, porque quando você mostrar as evidências você além de fechar ainda vai conquistar um amigo. Porque você terá livrado seu cliente de algo que o incomoda. Você vai ter trazido a ele alívio, satisfação, felicidade, amor. É isso que as pessoas querem, é isso que está por trás de qualquer coisa que elas compram. Quando seu cliente tiver isso, ele vai te dar dinheiro e ainda vai ficar grato por você ter se importado com ele e por ter resolvido o problema dele.

Como mais um resultado dessa prática você ganhará divulgação gratuita
Pense comigo, o que você faz quando compra algo que te salva? Conta sobre isso falando apenas de benefícios e qualidades, certo? Você inclusive indica isso para todo mundo que conhece que tem esse tipo de problema, não é? Se aquilo pra você foi uma salvação, é normal que não queira quem você gosta sofrendo pelo mesmo que você sofreu sabendo que existe uma solução. E é exatamente isso que vai acontecer com o seu cliente. Ele vai indicar seu produto ou seu serviço para todos que compraram outras soluções que não deram certo, porque ele é a prova de que o que você oferece dá certo. E ele vai indicar para as pessoas que confiam nele, então a pessoa já chega em você precisando do que você tem ou faz.

Portanto leitoras, não se zanguem com seu cliente quando ouvir: “Tá caro!” Enxergue que não é pessoal, ele está falando isso porque ele não entende que ele precisa do seu produto e não porque seu produto está caro. Você já tem tanta coisa para se desgastar, para que se desgastar com isso? Tente pensar como ele pensa, porque é por causa disso que ele está falando que está caro. Use a sua inteligência para conduzir a conversa para esclarecer ao seu cliente o objetivo do diálogo. De que é preciso resolver o problema e não girar em torno do preço barato ou caro. Se ele compreender o que falamos aqui no texto ele vai enxergar o real valor do seu trabalho. Testa aí e me fala.

Espero realmente conseguir ajudar as leitoras do Blog Mãe de Primeira Viagem e contarei com a ajuda de vocês para alcançar este objetivo. Conto com as suas opiniões, questionamentos, dúvidas, críticas, elogios, solicitações de conteúdo. Enfim, interação! Assim vamos ajustando o foco e todas crescemos juntas.

Então teclas a obra e vamos lá! Vejo você no próximo texto. Sempre aberta a sugestões de temas. Sobre o que você quer que eu escreva? Sobre qual assunto você quer aprender mais?

Leia Também:
Meu Caminho no Empreendedorismo: AQUI
10 Dicas para desenhar seu negócio (Parte I): AQUI
10 Dicas para desenhar seu negócio (parte II): AQUI
A importância do propósito dentro do seu negócio: AQUI

Autora: Kika Moreira
Instagram: @coachkikamoreira

Como Ajudar o Seu Bebê a Não Trocar o Dia Pela Noite

Como Ajudar o Seu Bebê a Não Trocar o Dia Pela NoiteÉ comum ouvirmos das mamães e dos papais que o bebê está dormindo muito durante o dia e pouquíssimo durante a noite. Isso ocorre devido a vários fatores, rotina diária, alimentação, cochilos durante o dia, hábitos adotados, rotina familiar etc. etc. Mas o que poucos sabem é que existe um fator orgânico que influencia diretamente no sono do recém, nascido. É o ciclo circadiano, também conhecido como ciclo do sono ou vigília!

Neste ciclo ocorre a regulação da concentração do hormônio melatonina no nosso corpo através da luminosidade solar e, de acordo com essa concentração, ficamos mais ou menos sonolentos. Ou seja, ao amanhecer a concentração deste hormônio é menor e nosso corpo está a todo vapor. Ao anoitecer os níveis vão aumentando e nossa atividade corporal começa a diminuir até que ficamos sonolentos. O que acontece com RN é que este ciclo ainda não funciona tão bem como no corpo de um adulto e por isso o bebê não identifica o dia e a noite. Para ajudar o bebê a reconhecer estes sinais precisamos adotar hábitos que vão sinalizar quando é dia e quando é noite. Tudo bem, entendi! Mas como fazer isso? Vou contar pra vocês agora.

Durante o dia é preciso que o bebê durma em local iluminado com a luz do dia, os sons da casa e da rua não devem ser abafados, o local de escolha deve ser o berço e o bebê não deve ser enrolado ou coberto. Ao anoitecer, após as 18h, é preciso mudar o ritmo da casa. Diminuir os sons e a luminosidade que incide sobre a criança, evitar o uso de TV, tablets e demais eletrônicos, instituir um ritual do sono da escolha de vocês (leitura, musica, banho relaxante, massagem etc.) e escolher o mesmo local todos os dias para o sono noturno seja no berço o quartinho do bebê ou próximo a cama dos pais (não é indicado que o bebê durma na mesma cama junto com os pais). 

A noite o bebê deve ser coberto e/ou enrolado, conforme preferência dos pais. Além disso é necessário que a rotina do bebê esteja bem estabelecida, ou seja, as atividades realizadas com o RN como banho de sol, banho de higiene, passeio e demais atividades aconteçam sempre na mesma ordens e mais ou menos nos mesmos horários.

Esses hábitos vão ajudar seu bebê a reconhecer as nuanças de cada período do dia e assim entender que o sono durante o dia é diferente do da noite, sendo este último um sono mais profundo e mais prolongado.

Vale lembrar que o Ciclo Circadiano tem sua maturação por volta dos 3 meses de idade e, por isso, qualquer treinamento ou condicionamento do sono antes desse período é ineficaz. Se aos 4 meses de idade você ainda tiver dificuldade com o seu bebê, terei imenso prazer em ajudá-los. Até lá siga as dicas acima que vai ser sucesso! 
Um beijo da Equipe Mommy in Love!

Rúbia Carneiro - COREN/MG 269.379
Enfermeira Materno Infantil 
Instagram: @mommy_inlove
E-mail: rubia.enf@mommyinlove.com.br

Seja feliz em suas relações afetivas

Seria possível cogitar a mesma ideia de que há momentos felizes e não definitivos como se pressupõe, em uma relação afetiva? Para os momentos que nos fazem felizes a sensação é maravilhosa. Nestes momentos queremos estar ao lado de pessoas queridas, que amamos.
Seja feliz em suas relações afetivas
Momentos de felicidade
Durante a vida crescemos imaginando que somos o centro das atenções. Com o passar do tempo, entendemos mais sobre o mundo, através de conhecimentos, através de informações e através da própria vida, que por natureza ensina.

Estudamos. Ao conquistar um objetivo de ingressar na universidade desejada, vivencia-se um momento de felicidade, ao lembrar do quando foi custoso superar tal barreira para se conquistar um espaço. 

Na área profissional, o contentamento se torna completo ao se conseguir a vaga naquela empresa tão almejada. O lado emocional transborda de felicidade só de imaginar que todos os esforços resultaram em bons frutos.

E no momento do casamento? A pessoa que durante anos te respeitou, admirou, amou e aceita seu pedido ou lhe pede em casamento? Um amigo que é mais do que um irmão por rir ao seu lado. Felicidade em uma ocasião. Ou felicidade em uma relação, seja ela familiar, amorosa, amigável. 

A importância das relações felizes
As relações felizes são até mais importantes do que os momentos de felicidade. Quem possui relações afetivas se sente mais motiva para buscar mais situações que possam proporcionar situações felizes. Afinal de contas, quem não quer estar acompanhado de alguém especial, quando vai tudo bem?

Para que tudo vá bem, é preciso que as relações afetivas caminhem nesta direção. Momentos de dificuldade todos enfrentamos. Porém, quando estamos rodeados de relações afetivas positivas, enfrentar estas situações se torna menos sacrificante.

Como as relações afetivas felizes afetam a vida?
Quando nos sentimentos felizes através de nossas relações afetivas, passamos a acreditar mais em valores pessoais. Também aumenta a nossa capacidade de tomar decisões, pelo aumento de confiança, que se torna quase que automático, em função das nossas relações.

O sentimento de gratidão também passa a ser frequente. A satisfação é expressa por ações, pois com tal sensação o agir é um mecanismo que faz transbordar a felicidade. Consequentemente, a valorização e a admiração se tornam resultados naturais da relação.

O desejo pela companhia das boas relações se torna frequente, dado que o bem-estar e o conforto de tê-las por perto é algo gratificante. 

As boas relações afetivas nas redes sociais
Com as várias tarefas que somos obrigados a cumprir diariamente, torna-se quase que impossível manter as boas relações afetivas devido à falta de tempo. Ainda assim, as redes sociais podem ajudar a manter os laços com as pessoas que mais são importantes para a gente. As que frequentemente são usadas com essa finalidade são:
• Facebook;
• WhatsApp;
• GooglePlus.
Através delas, há mensagens simples que podem ser enviadas para um único e principal motivo, que é o de manter o contato com pessoas especiais. 

Algumas das mensagens podem ser bastante simples como um “bom dia”, “tudo bem?”, “como está seu dia”, que de tão simples fazem toda a diferença para a manutenção e durabilidade dessas relações.

LEIA TAMBÉM:
Conecte-se com seu Amor Próprio e desperte seu Poder Pessoal: AQUI
Maternidade e Vida Profissional: Como conciliar? AQUI
Você tem sido grata pelas coisas que acontecem com você? AQUI
Ser mãe é uma linda história de amor que vai durar para sempre: AQUI
Simplesmente amamente: AQUI

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...