Que tipo de mãe você é?

Olá mamães! 
Como vão vocês? Espero que bem!

Hoje trago um texto para refletir, das várias formas de ser mães, cada uma de sua maneira. Certa ou errada? Não sabemos! Quem somos nós para julgar os outros! O importante é cada mãe ser feliz a sua maneira, independente a forma, mas tendo a consciência que ser MÃE é um privilegio de DEUS!
Ser mãe não é uma fórmula única. A maternidade permite uma diversidade de expressões, sem, no entanto, perder o encanto. Sabemos que existe todo tipo de pessoas e também de mães. Existem mães carinhosas, mães bravas e outras rancorosas, mães manhosas, intelectuais, atléticas e domésticas. Vou falar um pouquinho de alguns tipos de mães.

Você provavelmente já conheceu alguma mulher que disse que detesta estar grávida, mas que ama ser mãe, pois é essas mulheres não gostam de estar grávidas e de todo o processo que envolve a gravidez e de ter um filho, como: gestar, amamentar, dar banho, fazer dormir… No entanto gostam de ser mães. Protegem, amparam e dão carinho, mas procuram não gerar dependência em seus filhos. Esse perfil materno gosta de criar seus filhotes de forma livre, pois quanto antes eles se tornarem independentes dela melhor. Mães assim são ótimas para incentivar a natureza nata de explorador que toda criança possui. A grande dificuldade está quando mesmo com uma criação independente, o (a) filho (a) tem uma personalidade passiva e dependente. É preciso ficar atenta para não gerar ansiedade e expectativas exageradas na criança e em si mesma. Lembre-se, nossos filhos, apesar de parecidos, são diferentes de nós.

Existem mulheres que adiam o máximo possível a maternidade. Sempre há uma prioridade, que pode ser o trabalho, a viagem, o dinheiro… Mas quando a maternidade chega, elas encaram de forma prática, já articulando como será o quarto, quem cuidará da criança, quanto tempo pretende dispor para ficar com ela. Essas mamães querem os filhos maiores o quanto antes para que possam interagir com elas. Caso fosse possível escolher, eles já nasceriam com três anos. Como são extremamente racionais e objectivas, ter filhos emotivos e sensíveis demais podem lhe gerar estresse e incomodo. É importante se permitir aprender com eles. Uma dica legal é procurar olhar o mundo a partir da perspectiva da criança: fique por alguns momentos da altura dela e procure ver o mundo a partir desse foco. Costuma ser revelador como o mundo é visto diferente por eles.

Existem mães tranquilas, pacatas e sem muita ambição para si e para seus filhos. Em geral são donas de casa, com ou sem uma profissão que provavelmente não exercem. São cuidadosas e amorosas com seus filhos, mas por vezes podem ficar “desligadas” e voltadas para o seu mundo e seus incómodos. Estar em reflexão nem sempre gera mudanças nessas mães e em seus filhos. Como vivem sem muitas expectativas, não as incentivam em seus filhotes, deixando-os mais livres. Para os filhos é bom ter uma mãe tranquila e pouco exigente, mas chega um ponto da vida deles que podem sentir falta de uma mãe mais ativa e que os incentivem a sonhar.

Existem mães que acreditam que a maternidade é algo que faz parte do casamento e seguem uma ordem lógica: casei e agora terei filhos. Não gostam muito de brincar com seus filhos e procuram acima de tudo discipliná-los, o que em geral fazem com muito êxito. Seus filhos são disciplinados, mas por vezes distantes na relação mãe e filho, pois não recebem muito carinho físico e demonstrações de afeto. Lembre-se que dar carinho inclui beijos, toques e atenção. 

Existem mulheres que desde criança já falavam que queriam ser mães. Após o casamento, em pouco tempo estão grávidas e ávidas para cuidar de seu filhote. São cuidadosas, amorosas e dedicadas. Gostam de tudo que envolve a maternidade, desde gestar, amamentar e brincar com seus filhos. Dedicam muito de sua vida a eles. É aí que mora o perigo, pois esse tipo de mãe costuma cobrar o amor por anos doado e por isso não aceitam muito bem quando um filho quer se tornar independente e demonstra não precisar mais de seus cuidados. Para essas mães, os filhos nunca crescem, mas na verdade eles crescem e é preciso se acostumar com isso e encontrar outro objectivo que vai além da maternidade.

Existem as mães inseguras ao extremo, que acreditam que nunca vão conseguir cuidar de uma criança sozinha, pois afinal não se sentem competentes o suficiente para cuidar nem de si mesmas. Transferem a responsabilidade pelos seus filhos para outra pessoa, que pode ser a sua mãe ou avó. Depositar em outra pessoa a competência para cuidar de seus próprios filhos é a maneira que encontram para não assumir a responsabilidade de educar. A sua insegurança pode ser transmitida aos filhos que não conseguem ver na mãe uma figura forte e capaz de proteger. É importante se apropriar da sua capacidade materna e acreditar na sua maneira de educar, que pode não ser igual a da sua mãe ou avó, mas é sua e única.

Não importa que tipo de mãe você é, o que importa é que você cuide bem de seu (s) filho (s), honrando a maior função que Deus deu a um ser humano: A maternidade.

Aqui sou uma com um pouquinho de cada mãe dessas, uma hora insegura, outra totalmente segura e forte, sou carinhosa, mas também sei ser bem brava, sou dona de casa, sim! Mas nada acomodada, quero um mundo bem melhora para meu filho, e que ele cresça e apareça, não que seja melhor que ninguém, mas que seja melhor a cada dia.  Não cresci pensando em ser mãe, mas quando fui mãe,percebi para que vim ao mundo. Não gostei de gestar, mas amo ser Mãe...  Enfim tenho em mim, muitas maneiras de ser mãe,  muita vezes erro, mas sempre estou em busca de ser uma melhor mãe! Aprendendo e mudando a cada dia e tento a certeza que ser mãe é algo divino,espetacular, um presente de Deus, e por isso devo usufruir de cada momento e fazer sempre o melhor possível.

E você, que tipo de mãe é?

Até mais! 

13 comentários:

  1. Acho que sou um pouco de cada .. mas quero ser uma mãe pra frente, amiga da filha ... tipo que conta tudo e saí pra passear e curtir sabe? quero que a gente se seja sempre muito unidas e cumplices .. amei o post ... bjs

    Roberta Aquino
    http://princesaluma.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Adorei o texto .. e acho que que tbm sou um pouco de cada .. principalmente na parte que fala "desde criança quer ter filhos", pois casei em novembro e dezembro já estava grávida rs

    Bjs Mi Gobbato
    http://espacodasmamaes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Amei o texto miga
    Existe vários tipos de mãe mesmo
    Cada uma com um tipo de educação
    Bjus

    ResponderExcluir
  4. Eu sou uma mãe tranquila, de primeira viagem mas muito bem trabalhada como filha, então aprendi muito com minha mãe. Sou divertida e extremamente próxima, pra não dizer colada. Não quero ser outra COISA, só mãe. Feliz demais assim. Agradecia a Deus pela chance. bjus Coisas da Lara

    ResponderExcluir
  5. Amiga nós mães não somos perfeita apesar de buscar nossa perfeição diariamente ;)
    bjs
    Estou Crescendo

    ResponderExcluir
  6. Como você sou um pouquinho de cada mãe
    Sei dar carinho e dar bronca, sei a hora de ser mãe e de ser amiga, tudo na hora e dose certa
    Bjs
    http://soumaedecinco.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Sou do tipo que deste de sempre quis ser mãe.

    beijos

    ResponderExcluir
  8. Ai amiga,sou aquela mãe que já falava desde cedo que queria dois filhos ,um casal,que com 1ano de casada depois da relação colocava as pernas pra cima para engravidar logo,que deixou a carreira na Aviação para dar cuidados e amor em tempo integral e que esta disposta a sacrrificar e adiar seus sonhos profissionais e materias pelo bem estar deles..sou assim ..
    bjs

    ResponderExcluir
  9. Adorei o post. Curti demais minha gravidez e ser mãe é muito bom!
    www.beautyinforlife.com
    bjo

    ResponderExcluir
  10. Que texto bacana!!
    Sou o tipo de mãe que quer o melhor para os filhos, muitas vezes erro tentando acertar mas de uma coisa eu sei: Meus filhos são tudo na minha vida e por eles sou capaz de qualquer coisa.
    Carlah Ventura - Intensa Vida

    ResponderExcluir
  11. Dentre os exemplos que citou não consegui me identificar... apesar de ter sido mãe somente aos 33 anos, não foi por não priorizar... mas pq estudava e queria ter meu filho após o casamento com tudo certinho, mas tb casei só com 28 anos e depois de dois ano começamos nossas tentativas, demorou um pouco engravidar achei até q não pudesse mais o positivo chegou e amei gestar... amei acompanhar cada etapa, sou babona, coruja, sento no chão, brinco junto, danço junto apronto com ele... enfim tento ser a melhor mãe pra ele, errando, acertando, mas amando demais, bjss

    ResponderExcluir
  12. De todos os tipos depende do momento e de cada situação apresentada.
    Bju

    ResponderExcluir

Adoramos a sua visita!
Deixe um recadinho, uma dica, um comentário ou nos conte sua experiência!
Vamos adorar ler! Bjos e Volte Sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...