A Agressividade da Criança

Olá Amigos e Amigos!
Como vão vocês? Espero que estejam bem! 

Exclusivamente essa semana nossa Coluna: Conversando com a Clínica Base vai ao ar hoje, devido ao carnaval. Com um tema muito familiar, pelo mesmo para mim, pois já contei a vocês como Heitor gostava de bater em outras crianças e como isso me deixavam muito chateada. Mas hoje a pedagoga Luiza, da Clínica Base, escreveu um texto sobre a agressividade infantil, que me ajudou muito e espero que ajude muitas outras mães e crianças. Vamos conferir:
Há um momento da infância em que algumas crianças se tornam agressivas em determinados ambientes ou situações, o que muitas vezes surpreende os pais. Como meu filho, essa criança tão doce e carinhosa, pode morder e bater nos colegas de escola? Como meu filho, criado com tanto amor, pode empurrar e machucar o irmão, e às vezes até direcionar essa agressividade para nós, que somos seus pais? Será que meu filho tem algum tipo de problema psicológico? Essas são algumas das questões que surgem no ambiente familiar e fazem os pais se perguntarem de onde surge a agressividade das crianças.

Bom, a agressão tem duas origens distintas, pode ser a reação direta ou indireta a algum tipo de frustração, mas por outro lado, é, também, apenas umas das muitas fontes de energia de um indivíduo. Todas as crianças têm cargas e impulsos agressivos e encontram caminhos diferentes para expressá-los, algumas se tornam agressivas e outras não.

Ao lidar com esse comportamento é essencial que os pais e a escola tentem compreender a angústia da criança para encontrar a melhor forma de orientá-la e acalmá-la. Mesmo que ela ainda não fale ou compreenda tudo, é importante falar com ela e dizer suas hipóteses até que ela possa encontrar alívio ao ver que você a compreendeu e traduziu em palavras as emoções que a perturbavam. No momento de tentar controlar a agressividade devemos ter cuidado, para não estimular o comportamento agressivo. Se a criança já é agressiva o ideal é tentar conversar e explicar que há outras formas de lidar com os sentimentos negativos. Quando as crianças já falam é importante orientá-las a comunicar os sentimentos bons ou ruins através da fala, e para todas as faixas etárias, as atividades físicas e artísticas são ótimos recursos para amenizar a agressividade.

As relações das crianças podem ser conflituosas devido a uma séria de fatores especialmente com o início da vida escolar em que elas têm de aprender como se relacionar com outras crianças de sua idade e como dividir os brinquedos e a atenção dos adultos. Assim, a agressão na primeira infância está ligada ao estabelecimento da distinção entre quem sou eu e quem é o outro, o que é meu e o que é do outro, o que cabe a mim e o que cabe ao outro, etc.


Sabendo que a agressividade é algo natural e comum a todas as pessoas, podemos entender as primeiras manifestações agressivas do individuo como impulsos naturais que podem representar os primeiros passos para a exploração do mundo e das relações sociais, e a partir disso tratar com maior tranquilidade os impulsos das crianças e tentar compreender a confusão de sentimentos pela qual elas devem estar passando. A ajuda dos adultos para compreender e saber lidar com os novos sentimentos é muito importante para as crianças durante todo o seu processo de desenvolvimento.
Para conhecer mais a Clinica Base e seus profissionais e/ou projetos, entre em contato:
Site: AQUI
Blog: AQUI
Fan Page: AQUI
Cá Entre Nós: AQUI

E vocês já passaram por algum momento agressivo dos filhos e como lidaram ? 

Espero que tenham gostado!

24 comentários:

  1. Eu estou passando o maior perrengue com o meu filho... inclusive a agressividade dele é assunto pro pra um próximo post...
    É tenso, viu?
    Um beijo!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!!
      Este é um assunto muito comum entre mães e causa muita angústia. O importante é saber que a agressividade faz parte do desenvolvimento de toda criança, e que ela passa!
      Se tiver interesse em ler mais alguns textos que a equipe da Clínica Base tem escrito, acesse nosso site: www.clinicabase.com
      Atenciosamente,
      Luiza Pinheiro
      luiza@clinicabase.com

      Excluir
  2. é sim amiga tenho que ficar ligadas
    observar nossos filhos
    e compreender cada momento
    otimo post
    Nanda
    beijokas
    Linda Tarde

    Sendo a mãe da Isa e da Gabi
    Google+Nanda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Nanda!!!
      É isso aí!! Estar atenta às mudanças de comportamento dos filhos é o primeiro passo para perceber as reações agressivas e procurar formas de lidar com elas.
      Se tiver interesse em ler mais alguns textos que a equipe da Clínica Base tem escrito, acesse nosso site: www.clinicabase.com
      Atenciosamente,
      Luiza Pinheiro
      luiza@clinicabase.com

      Excluir
  3. Respostas
    1. Olá , Toninha!!!
      Fico feliz que tenha gostado do tema!
      Se tiver interesse em ler mais alguns textos que a equipe da Clínica Base tem escrito, acesse nosso site: www.clinicabase.com
      Atenciosamente,
      Luiza Pinheiro
      luiza@clinicabase.com

      Excluir
  4. Também eles querem atenção dobrada
    Gostei das dicas
    Bjus
    http://segredosdaluma.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Leteia!
      É isso ai, a busca por atenção, a percepção de que não são as únicas coisas importantes na vida dos pais, e o medo do abandono têm muito a ver com esse comportamento.
      Se tiver interesse em ler mais alguns textos que a equipe da Clínica Base tem escrito, acesse nosso site: www.clinicabase.com
      Atenciosamente,
      Luiza Pinheiro
      luiza@clinicabase.com

      Excluir
  5. Nossa é bem complicado quando uma criança fica agressiva, espero que isso não aconteça com o Rafa, se acontecer terei que lembrar desse post para saberagir
    bjcas
    http://estou-crescendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Shairane!!!
      Isso ocorre com grande parte das crianças, e se em algum momento o Rafa ficar agressivo, lembre-se que é comum e que ele está apenas confuso tentando organizar seus sentimentos. O importante é tentar entender e tratar a situação com respeito e carinho pela criança.
      Se tiver interesse em ler mais alguns textos que a equipe da Clínica Base tem escrito, acesse nosso site: www.clinicabase.com
      Atenciosamente,
      Luiza Pinheiro
      luiza@clinicabase.com

      Excluir
  6. Ótimo post! Muito bem explicado.
    Acho que meu sobrinho não é agressivo, pois nunca bateu em ninguém ou algo, mas ele tem
    seus momentos de nervosismo e ansiedade.
    Beijos!
    islary34.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Isa!!!
      Que bom que vocês gostou do post!! Estes pequenos ‘ataques de fúria’ também são comuns e só significam que ele está aprendendo a lidar com os sentimentos negativos como decepções, raiva, etc. Obrigada por compartilhar sua experiência conosco!
      Se tiver interesse em ler mais alguns textos que a equipe da Clínica Base tem escrito, acesse nosso site: www.clinicabase.com
      Atenciosamente,
      Luiza Pinheiro
      luiza@clinicabase.com

      Excluir
  7. OI Tatty, a Luisa abordou um tema muito importante e que incomoda os dois lados: dos pais das crianças que agridem e dos pais das crianças que são agredidas. O melhor é tentar entender a origem para assim encontrar a melhor forma de ajudar a criança.
    Uma ótima semana pra vocês
    beijos
    Chris
    Inventando com a Mamãe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Chris!!!
      Adorei o comentário! É isso mesmo! Quando alguma criança agride outra, principalmente em espaço escolar, onde isso é muito comum, é uma situação delicada tanto para as famílias envolvidas, quanto para a escola e para as próprias crianças. Nesse momento é importante tentar conversar com as duas crianças, e esclarecer para ambas as famílias que esse é um processo natural de desenvolvimento que será trabalhado com os pequenos para que as agressões parem de ocorrer.
      Se tiver interesse em ler mais alguns textos que a equipe da Clínica Base tem escrito, acesse nosso site: www.clinicabase.com
      Atenciosamente,
      Luiza Pinheiro
      luiza@clinicabase.com

      Excluir
  8. Ótimo post amiga!
    Bjos enormes

    http://amaedadrii.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Iasmin!!!
      Que bom que gostou!!
      Se tiver interesse em ler mais alguns textos que a equipe da Clínica Base tem escrito, acesse nosso site: www.clinicabase.com
      Atenciosamente,
      Luiza Pinheiro
      luiza@clinicabase.com

      Excluir
  9. Respostas
    1. Olá, Ludmyla!!!
      Que bom que gostou!! Este tema aflige muitas mães por aí. Temos que falar mais sobre ele!
      Se tiver interesse em ler mais alguns textos que a equipe da Clínica Base tem escrito, acesse nosso site: www.clinicabase.com
      Atenciosamente,
      Luiza Pinheiro
      luiza@clinicabase.com

      Excluir
  10. Adorei a postagem. Lohany é um pouco bruta, no início eu ficava muito nervosa mas agora eu deixo ela acalmar e converso e explico a ela que não pode.
    Beijos
    www.alemdamaternidade.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Leidiane!!!
      Obrigada por compartilhar sua experiência conosco. Fico feliz que tenha gostado do post!! Esse tempo para a criança se aclamar e tentar organizar seus sentimentos sozinha é muito importante! Legal você fazer isso com a Lohany!!
      Se tiver interesse em ler mais alguns textos que a equipe da Clínica Base tem escrito, acesse nosso site: www.clinicabase.com
      Atenciosamente,
      Luiza Pinheiro
      luiza@clinicabase.com

      Excluir
  11. aDOREI LER ESSA POSTAGEM..MINHA PEQUENA COMEÇOU A MORDER O IRMÃO,ATÉ QUE UM DIA BRIGUEI COM ELA E CONVERSEI, ATÉ HOJE NÃO MORDEU MAIS, ACHO QUE ISSO É UMA FASE QUE CADA CRIANÇA TEM QUE PASSAR POR ELA, E NÓS PAIS COM TODO CARINHO,PACIÊNCIA E COMPREENSÃO CONVERSARMOS E EXPLICARMOS O QUE É CERTO E ERARDO..
    BJS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Simeia!!!
      Esse tipo de sentimento direcionado aos irmãos é muito comum também, afinal, é alguém que ganha tanto amor do papai e da mamãe quanto ela, né?! Pode ser que leve tempo até ela se acostumar com essa situação, mas pelo visto, a forma como você cuidou da situação está resolvendo. Muito bacana!
      Se tiver interesse em ler mais alguns textos que a equipe da Clínica Base tem escrito, acesse nosso site: www.clinicabase.com
      Atenciosamente,
      Luiza Pinheiro
      luiza@clinicabase.com

      Excluir
  12. Aqui em casa esta dificil.... Davi é muito agressivo!

    Beijos
    Diariodematernidade.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Olá, Bruna!!!
    Obrigada por compartilhar sua experiência conosco! Se você for de Belo Horizonte está convidada para ir à palestra que darei sobre agressividade infantil no projeto Cá Entre Nós de encontro com mães! Segue o link do facebook caso você queira ter mais informações: https://www.facebook.com/caentrenosprojeto?fref=ts
    Se tiver interesse em ler mais alguns textos que a equipe da Clínica Base tem escrito, acesse nosso site: www.clinicabase.com
    Atenciosamente,
    Luiza Pinheiro
    luiza@clinicabase.com

    ResponderExcluir

Adoramos a sua visita!
Deixe um recadinho, uma dica, um comentário ou nos conte sua experiência!
Vamos adorar ler! Bjos e Volte Sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...